Notícias

" É possível acabar com os cuidados de saúde de “primeira” e de “segunda”, dependendo das oportunidades e do código postal de cada um"

Carla Magalhães acredita que o Health Parliament é uma importante herança que deixa para as gerações vindouras. Na Comissão de Barreiras aos Cuidados de Saúde a Especialista de Acesso ao Mercado acredita que se deve "Investir mais, de forma planeada e articulada" no SNS

O que o fez querer participar neste projeto?

Ter a certeza que, enquanto cidadã, e enquanto mãe, deixo o meu contributo para a manutenção e para o aperfeiçoamento de um sistema de saúde que recebi e tenho hoje à disposição, com características indispensáveis à proteção da saúde individual. Ter a oportunidade, em conjunto com 59 pessoas com percursos completamente diferentes do meu, discutir e propor alternativas que reforcem uma politica de saúde transparente, sustentável e organizada em torno do cidadão.

Em que medida a sua experiência pessoal é uma mais-valia para o Health Parliament?

Pelo meu percurso académico, associativo e profissional, ligado à saúde desde início – enquanto farmacêutica, dirigente associativa e dedicada ao acesso dos doentes às tecnologias farmacêuticas, mas acima de tudo pela minha vontade de contribuir e mudar. Por também acreditar que, de forma sustentável, é possível acabar com os cuidados de saúde de “primeira” e de “segunda”, dependendo das oportunidades e do código postal de cada um.

Qual é a melhor característica da Saúde em Portugal? E a pior?

A melhor característica: a qualidade dos recursos do SNS e a tríade constitucional que o caracteriza: universal, geral e tendencialmente gratuito. Pior: A forma setorial como são planeadas as políticas de saúde em Portugal; O subfinanciamento deste ministério obriga a um esforço multidisciplinar e a uma participação direta e fundamentada de outros setores do Estado .

Dê uma ideia concreta para aplicar na Saúde

Investir mais, de forma planeada e articulada, através de modelos de financiamento hospitalar que coloquem o doente no centro da avaliação e que privilegiem, para além da produção a qualidade dos resultados em saúde obtidos.