Notícias

52 recomendações dão 52 aprovações. Health Parliament faz o pleno

Todas as recomendações que as comissões do Health Parliament Portugal colocaram a votação passaram no crivo dos deputados do parlamento da saúde, que agora querem passar da teoria à prática

Tiago Oliveira

Jornalista

Um estúdio, uma jornalista e 60 deputados. Não presencialmente, porque a covid-19 não permite, mas reunidos por Zoom (e com transmissão via Facebook) para dar corpo ao terceiro plenário da segunda edição do Health Parliament Portugal e a um dos dias mais importantes do projeto: a votação das recomendações resultantes do trabalho de pesquisa e auscultação da realidade do sector da saúde feito por cada uma das comissões.

Os deputados das seis comissões do HPP - Tecnologia e Integração de Cuidados, Sustentabilidade e Equidade no Sistema de Saúde, Saúde Mental, Recursos Humanos, Oncologia e Inovação e Valor em Saúde - apresentaram, ao longo do dia, 52 recomendações, divididas pelas diferentes comissões, com as medidas a serem alvo de debate e comentário por parte dos membros do conselho consultivo e por todos os parlamentares que quisessem intervir.

Um trabalho feito em "defesa dos cidadãos do país", como disse o presidente do HPP, Francisco Goiana da Silva, e que resultou numa aprovação total por parte dos presentes. Significado? Todas as recomendações colocadas a votação foram aprovadas.

Alcance

Medidas como a expansão de um Sistema Nacional de Avaliação de Tecnologias, a revisão do modelo de valor em saúde de oncologia, criar novos serviços de psiquiatria nos hospitais gerais ou promover a mobilidade de doentes estão entre as propostas que passaram no crivo e que agora serão afinadas e calibradas para estarem prontas a serem apresentadas a quem tem a responsabilidade de decidir e provocar transformações sistémicas.

As ideias hoje expostas representam "algo que está muito bem pensado, estruturado e indica parte dos principais problemas que existem nesta área", reconhece o deputado do PSD, Álvaro Almeida, ao passo que a ex-ministra da Saúde, Maria de Belém lembra que "o mérito tem que passar por um compromisso com a política de saúde que for aprovada no parlamento".

"Estou agradavelmente surpreendida com o alcance das medidas", confessou a deputada do CDS-PP e médica de cuidados paliativos, Isabel Galriça Neto, que fez também questão de deixar um "alerta para a dificuldade" que será trabalhar estas medidas para terem hipótese real de implementação. Um processo que segue agora com urgência renovada rumo à conclusão do único parlamento dedicado exclusivamente ao sector da saúde em Portugal.

Próximos passos

No quarto plenário do HPP, a 15 de janeiro, haverá lugar à apresentação pública do trabalho feito pelos parlamentares e que resultará numa série de medidas a entregar às autoridades públicas. Para acompanhar nas páginas do semanário Expresso, na antena da SIC Notícias e no nosso site.